Foi neste espaço (Restaurante “Sal Poente” em Aveiro) que a ideia ganhou forma.

Com a estrutura definida, faltava desenvolver a história. Rapidamente engendrei a trama, inspirando-me nas verdadeiras famílias dos protagonistas e nas pessoas da Ericeira que me eram próximas para criar as personagens secundárias: familiares, amigos e até os vilões – com as necessárias adaptações, como é óbvio.

Tentando não repetir nomes, todos os frequentadores da Ericeira e arredores que me eram conhecidos estavam desde aquela altura “convocados” para me darem ideias para a criação de uma nova personagem das minhas histórias.

Alguns mais perto do que são na realidade, outros totalmente diferentes, mas alguma coisa de cada um iria lá estar…

 

publicado por Marina às 23:34