Depois de encontrado o género que se quer escrever, há que definir outra coisa fundamental: qual ou quais os protagonistas.

Decidi que, há semelhança dos livros da minha infância, também as minhas histórias seriam protagonizadas por vários jovens aventureiros.

E não foi difícil compor as personagens, pois tenho o privilégio de possuir, desde os 17 anos, um grupo de sete amigas: Fedra, Rita BF, Elsa, Patrícia, Rita G, Joana e Rita B.

Foi nelas que me inspirei e baseei, com as devidas alterações, claro!

Para não haver confusão de nomes, juntei as três Ritas numa só personagem e assim surgiram as cinco meninas das histórias.

Mas faltavam rapazes para completar o grupo. De imediato, lembrei-me de dois dos irmãos da Fedra, o Miguel e o Tiago, e de um amigo deles, o André.

Depois seguiram-se as mascotes. O Marty era o pastor alemão que possuía na altura e a Gi a boxer que pertencera à Joana – estava resolvido!

 

publicado por Marina às 18:24